"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca" (Mateus 26:41)

Conde de Foucauld Brut


Tipo: Branco
Nível: Espumante
Classe: Brut
País: Brasil
Estilo: não safrado
Método: Charmat
Graduação alcoólica: 11%
Preço: R$ 12-18 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos)
Uvas/Corte:
Produtor: Vinícola Aurora
Região: Vale dos vinhedos, Bento Gonçalves, RS
Site: http://www.vinicolaaurora.com.br/
Score: N/A
Onde comprar: 1- Supermercado Extra; 2- Vinícola Aurora;
Data compra: 26/05/2008
Degustado em: 27/06/2008
Harmonizado com: queijos e Penne com camarão
Comentário Produtor
Corte de Riesling e Semillon - Método Charmat; vinho espumante branco brut; cor amarelo-palha, ligeiramente esverdeado, aroma de frutas cítricas e sabor refrescante.
Acompanha: desde a entrada à sobremesa..
Serviço: 6 a 8º C
Sugestão de Guarda: beber
Prêmios: 1. Concurso de Vinos La Mujer Elige 2008 - Mendoza – Argentina – Dezembro/2008 – Medalha de Prata - Espumante Conde de Foucauld Brut Rosé; 2. International Wine Challenge - Londres - Inglaterra- Abril/2008 - Espumante Conde de Foucauld Brut - Menção Honrosa; 3. Challenge du Vin - Bourg-sur-Gironde – França – Maio/2007 - Espumante Conde de Foucauld Brut - Medalha de Ouro; 4. Vinus - Menndoza – Argentina – Setembro/2007 - Medalha de Prata; 5. Selections Mondiales des Vins - Quebec – Canadá – Fevereiro/2007 - Espumante Conde de Foucauld Brut - Medalha de Prata.
Meus comentários:
Amarelo palha com tons esverdeados, límpido, perlage fina e persistente, cítrico, boa acidez, sabor maçã verde, refrescante e agradável.
Avaliação: Bom $$

Rio Sol Rose


Tipo: Rose
Nível: Espumante
Classe: Brut
País: Brasil
Estilo: não safrado
Método: Charmat (segunda fermentação em tanques de aço inoxidável)
Graduação alcoólica: 12%
Preço: € 7,70; R$ 20-29 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Europa-BR).
Uvas/Corte: Syrah 100%
Produtor: Vinibrasil
Região: Vale do São Francisco, Petrolina-Pe
Site: http://www.riosol.com.br/
Score: N/A
Onde comprar: 1. Vinhedos-RN; 2. http://expand.americanas.com.br/;
Degustado em: 25/12/2008
Harmonizado com: petiscos diversos, peru, tender
Comentário Produtor
Produzido 100% com a uva Syrah, chega ao mercado para integrar a linha de espumantes da casa, que já conta com Brut, Démi-Sec, Moscato Canelli Doce e Rouge.
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Cor rosa pálido, límpido, perlage fina e média persistência. Nariz notas de morango. Acidez equilibrada, sabor acerola e pêssego.
A empresa Vinibrasil ex-associação Dão Sul e Expand, agora só Dão Sul, mesmo com uma história tão curta de vida, os vinhos Rio Sol já são vendido para mais de 20 países diferentes, incluindo os grandes exportadores de vinho como a França, Espanha, Itália e Estados Unidos. Além do preço competitivo, os vinhos ganham espaço porque tem qualidade. A prova disso são os 83 pontos obtidos na lista dos top 100 da celebrada revista americana Wine Spectator e a medalha de bronze no Decanter World Wine Awards, da revista inglesa Decanter, pelo vinho Paralelo 8 2004.
Avaliação: Médio

Don Nicanor


Safra: 2005
País: Argentina
Região: Agrelo e Vistalba, Luján de Cuyo, Mendoza
Produtor: Nieto Senetiner
Site: http://www.nietosenetiner.com.ar/
Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: U$ 10-17; R$ 54-74 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos USA-BR)
Score: 91 Points - Wine & Spirits; Wine Enthusiast 89 pontos - 2004; Wine Spectator 88 pontos – 2004.
Onde encontrar: 1. Carrefour, 2. Casa Flora - http://www.casaflora.com.br/
Degustado: 21/12/2008
Harmonização: Filé de Cordeiro com funghi sec
Serviço: 17 a 18º
Comentário Produtor
Cor vermelha, com reflexos violeta e grande untuosidade. Aromas de ameixas pretas secas, com notas de baunilha devido a seu tempo de permanência no carvalho. Com taninos doces e maduros, bom corpo, é aveludado e tem excelente persistência, com intenso retro gosto.
Prêmios: 1. Don Nicanor Malbec 2002 – Vinandino 2005 – Gran Medalha de Oro;
2. Don Nicanor Malbec 2003 – Vinitaly 2005 - Medalha de Oro; 3. Don Nicanor Malbec 2004 - CATAD’OR CMB Uruguai 2006 - Medalha de Ouro;
Sugestão de Guarda: beber/guardar 2012 (sugestão do produtor)
Meus comentários:
Vinho de cor violácea de grande intensidade, Esse vinho conquista logo pela bela cor e pelos aromas, com notas de frutas muito maduras, amadeirado (18 meses em barris de carvalho francês), notas de couro e de chocolate. Bom corpo, bem estruturado com taninos macios e boa persistência. Sugiro decantar pelo menos uma hora antes de degustar
O nome (Don Nicanor) é uma homenagem ao fundador da Nieto Senetiner, uma vinícola de ponta de Lujan de Cuyo, uma zona de preferência da Malbec. Vinhos em várias faixas. Os da linha Nieto Senetiner Reserva costumam ter boa relação qualidade-preço e os Cadus são espetaculares e bastantes caros, conforme os críticos especializados.
Avaliação: muito bom

Don Laurindo Brut


Tipo: Branco
Nível: Espumante
Classe: Brut
País: Brasil
Estilo: 2006
Método: Champenoise (um ano entre fermentação e autólise)
Graduação alcoólica: 12%
Preço: U$ 8; R$ 35-47 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos USA-UK-BR).
Uvas/Corte: 70% Chardonnay e 30% Riesling Italico
Produtor: Don Laurindo
Região: Vale dos vinhedos, Bento Gonçalves, RS
Site: http://www.donlaurindo.com.br/
Score: (80-84) Bom (Marcelo Copello- avaliaçao do 2001)
Degustado em: 25/12/2008
Harmonizado com: petiscos diversos, peru, tender
Comentário Produtor
É elaborado com uvas chardonnay e riesling itálico através do método champenoise (fermentação na própria garrafa). Sua cor é amarelo palha com tons esverdeados, a perlage é longa e de finas bolhas. Se aroma é frutado e evoluido. Na boca apresenta-se com equilíbrio de acidez e corpo com final refrescante e agradável. Aconselha-se consumir jovem, em até 3 anos. Temperatura ideal para consumo de 5° a 8° C.
Pode ser servido como aperitivo, nas principais refeições e é ideal em qualquer comemoração.
Sugestão de Guarda: 02 anos
Meus comentários:
Exame visual: - amarelo palha, límpido, perlage fina e persistente
Exame olfativo: nariz lembrando fermento e frutas brancas.
Exame gustativo: Acidez equilibrada, sabor de pêra, maçã, pão torrado
A VINHOS DON LAURINDO LTDA, empresa constituída unicamente com membros da família, foi criada em 1991 por Laurindo Brandelli (pai) e os filhos (Ademir, Adelar, Alfonso e Márcio), institucionalizando a venda de seus vinhos. Os vinhedos estão localizados numa área privilegiada, o Vale dos Vinhedos, incrustado na Serra Gaúcha. Sua geografia se assemelha a do Norte da Itália, região de vales e montanhas. Os primeiros vinhedos, de cepas comuns, datam desde 1889 e passaram a ser substituídos a partir de 1970 por variedades viníferas. O microclima, com temperaturas abaixo de 0°C durante o inverno, proporciona repouso à videira. Além disso, quente no verão com ótima incidência de sol, é extremamente favorável à produção de uvas sãs, maduras, com baixa acidez, complexidade aromática, cor e com grande teor de açúcar natural. O terreno fértil proporciona vigor aos parreirais. Este vigor é controlado por podas mais abertas para que os cachos das uvas recebam maior quantidade de sol.
Avaliação: Bom

Don Dinis Reserva


Safra: 2003
País: Portugal
Região: Ribatejo
Produtor: Caves Vidigal, S. A
Site: http://www.cavesvidigal.pt/
Uvas/Corte: Castelão 45%, Tinta Roriz 30% e Trincadeira Preta 25%
Teor alcoólico: 12,5%
Preço: € 4,90; R$ 35 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Inglaterrra-BR)
Score: N/A
Onde encontrar: 1. Garrafeira Lusa, RN; 2. Nordestão, RN.
Serviço: 16º a 18º
Comentário Produtor
Vinho tinto de estrutura robusta com cor intensa e pujante. Aroma exuberante a frutos vermelhos, ameixas, figos e especiarias. Na boca é um vinho intenso, espesso que deixa a sua estrutura bem marcada
Prêmios: Medalha de Bronze / Bronze Medal Dom Dinis 1999” – Caves Vidigal - Wine Masters Challenge – Portugal
Sugestão de Guarda: beber/ guardar até 10 anos
Meus comentários:
Cor rubi intensa, robusto, aromas de frutas vermelhas maduras (ameixas) e especiarias com ligeiro toque de madeira e acidez média.
Avaliação: Bom

Angaro Branco


Safra: 2006
País: Argentina
Região: San Carlos , Valle do Uco, Mendoza
Produtor: Finca La Celia
Site: http://www.fincalacelia.com.ar/home.htm/
Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: U$ 6-8; R$ 14-20 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos USA-BR)
Score: N/A
Onde encontrar: 1-Carrefour; 2- Costi Bebidas (http://www.costibebidas.com.br/produto_detalhado.php?referencia=5537&categoria=50);
Degustado: 13/12/2008
Harmonização: Garoupa assada
Serviço: 12,5º
Comentário Produtor
De color amrillo limón, tiene aromas a frutas tropicales. Es um vino redondo com tonos de frutas exóticas ya avellanas, y La presencia de suave vainilla ao final. Es um vino para acompañar mariscos, pescados, pastas, com salsas de crema, aves y cierto platôs índios condimentados. Servir 8º a 10º.
Prêmios: 1- DECANTER 2005 (London) - La Celia Reserva Chardonnay 2004 - Silver medal; 2- INTERNATIONAL WINE CHALLENGE 2005 (London)- La Celia Reserva Chardonnay 2004 - Bronze medal; 3- CATAD´OR CMB 2005 (Argentina)- La Celia Reserva Chardonnay 2004 – Gold Medal
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Localizada no Vale do Uco, região de Mendoza, a Finca La Celia foi adquirida em 1999 pela Viña San Pedro, segunda maior vinícola chilena. Das terras ocupadas em 1880 por Eugênio Bustos, surgiu em 1924 o vinhedo que levaria o nome de sua filha, Celia. É de seus 600 hectares que saem os excelentes vinhos Angaro, Furia, e as linhas Premium La Celia e La Consulta. Coloração amarela limão, brilhante, límpido, aroma frutal, boa acidez e frescor, no palato pêssego, banana, maçã, notas de avelã e um toque de mel, persistência média. Apesar da sugestão de guarda ser de apenas 01 ano, esse chardonnay não demonstrava sinal de declínio
Avaliação: Médio $$

Adolfo Lona Rose


Tipo: Rose
Nível: Espumante
Classe: Brut
País: Brasil
Método: Charmat
Graduação alcoólica: 12%
Preço: R$ 26-40 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos do Brasil)
Uvas/Corte: Chardonnay (40%) e Pinot Noir (60%).
Produtor: Adolfo Lona
Região: Garibaldi-RS
Site: www.adolfolona.com.br
Score: N/A
Onde encontrar: Magazzino;
Degustado em: 05/10/2008
Harmonizado com: como aperitivo
Comentário Produtor
Linda cor rosada leve com tom de pêssego, bastante elegante.
Aromas intensos e persistentes que misturam pão torrado, mel e frutas vermelhas maduras. Excelente equilíbrio entre a acidez e os sabores, o melhor dentre os rosés da mesma faixa. Apresenta suave presença de frutas vermelhas, que evolui para um conjunto complexo de tostado, mel e ligeira especiaria, terminando com sutil e elegante amargor, muito agradável..
Serviço: 6 a 8º C
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Adolfo Lona (Argentino de Mendoza) veio para o Brasil em 1972, contratado para o início de operações da vinícola De Lantier, fundada pelo grupo Bacardi-Martini no Brasil. Em 2004, após 33 anos como enólogo e diretor da Bacardi-Martini no Brasil, Adolfo Lona aposentou-se e decidiu produzir vinhos com seu nome, trazendo ao mercado produtos de grande personalidade, frutos da criatividade e da experiência deste enólogo pioneiro da vinicultura brasileira de qualidade.
Coloração rósea, perlage fina persistente, fresco, boa acidez, frutado (frutas vermelhas), ligeiro amargo no final sem comprometer o equílibrio
Avaliação: Bom

Papai Noel


A origem do Papai Noel (Bom Velhinho) teria origem na história de um santo (São Nicolau), um bispo que viveu por volta do ano 300 d.C., na região da Lícia, atual Turquia, e era conhecido por ser um homem muito bondoso. Praticava muita caridade, mas preferia o anonimato", conta Evaristo de Miranda, autor do livro Guia de Curiosidades Católicas (Editora Vozes) e diretor do Instituto Ciência e Fé, de Curitiba, no Paraná. E, tal como o Papai Noel das histórias de hoje , São Nicolau tinha o costume de carregar um saco cheio de presentes. "Ele saía pelas ruas distribuindo para crianças e adultos", diz o pesquisador. .
O vovô de barba branca ficou famoso por distribuir presentes às crianças nas noites de Natal, o que teria inspirado o mito do Papai Noel.
Estudos apontam que o Papai Noel traja roupas vermelhas por serem roupas episcopais usadas por São Nicolau durante sua vida. A barba branca seria sinal de sabedoria do velhinho mais querido do planeta.
Na França, Santa Claus (uma espécie contração de São Nicolau) passou a ser chamado de Noel. "Vem de Emanuel, que significa 'Deus conosco'", conta o pesquisador Evaristo Miranda. No Brasil, passamos a chamá-lo de Papai Noel devido à influência francesa no século XIX. Já em países de língua inglesa o personagem é mais conhecido como Santa Claus.
A lenda de que o personagem vive no Pólo Norte e voa em um trenó conduzido por renas teria surgido em 1889. "Naquele ano um americano escreveu uma história relatando a suposta visita de Santa Claus a seu filho depois de viajar pelo Pólo Norte. E, a partir dos Estados Unidos, a versão ganhou força pelo mundo inteiro", diz Evaristo.
O São Nicolau deu origem a muitos costumes envolvendo a figura do Bom Velhinho. Como é o caso da tradição de colocar uma meia na chaminé, na expectativa de que ela amanheça recheada com algum presente. "Tudo começou com uma moça turca que queria muito se casar e, por ser de uma família muito pobre, não podia oferecer um dote ao seu pretendente", explica Evaristo. Sabendo dessa dificuldade, São Nicolau resolveu ajudá-la doando três sacos de moedas de ouro. Para entregar as moedas "Ele resolveu jogá-las pela chaminé, para que o dinheiro ficasse seguro no interior da casa", revela o pesquisador. Coincidentemente, o saco de moedas caiu dentro de um sapato que estava ali próximo. Foi por esse motivo que as pessoas passaram a colocar um calçado ou uma meia nesse local da casa, sempre com a esperança de ter uma sorte parecida com a da jovem. Daí também surgiu outra crença, a de que Noel, sempre discreto, preferiria entrar na calada da noite, sem ninguém vê-lo, e claro, pela chaminé das casas em vez de bater na porta da frente.

Fonte: http://www.bebe.com.br/familia/natal/historia_01.php#top

Catena Alta


Safra: 2004
País: Argentina
Região: Mendoza (Viñedo La Pirámide, distrito de Agrelo, 940 m
Viñedo Domingo, distrito Villa Bastías, 1.130 m
Viñedo Adrianna, distrito Gualtallary, 1.365 m)
Produtor: Bodega Catena Zapata
Site: http://www.catenawines.com/es/index.html/
Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14,1%
Preço: € 28-30; U$ 45-48; R$ 129-150 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos USA, UK e BR)
Score: Wine Avocate (RP) 93; Wine Spectator 93;
Onde comprar: http://www.mistral.com.br/
Degustado: 29/11/2008
Harmonização: Filé ao molho mostarda e espaguetti tricolore
Serviço: 18º
Comentário Produtor
Catena Alta Cabernet Sauvignon 2004 presenta un profundo color violeta opaco con matices negros. La nariz ofrece intensos aromas de frutos negros maduros con dejos de tabaco, cedro y menta fresca. En boca es un vino de gran estructura y concentración , con pronunciados sabores de cassis y frutos negros y suaves notas de clavo de olor, grafito y granos de café. El final es estructurado, con taninos finamente integrados y una refrescante y vivaz acidez..
Prêmios:
Sugestão de Guarda: beber/guardar 2030 de acordo com wine avocate
Meus comentários:
Coloração púrpura com halo discreto vermelho rubi, opaco, frutado (frutas vermelhas maduras), aromático, notas de pimenta preta, tabaco, tostado, taninos médios, encorpado, frutas vermelhas maduras, especiarias, baunilha, notas de chocolate, persitência média, um vinho que promete melhorar com a guarda, de acordo com avaliação do wine avocate, deverá ficar melhor com 6 a 8 anos de adega, um vinho que dá prazer de beber
Avaliação: excelente

Las Brujas


Safra: 2007
País: Uruguay
Região: Las Brujas, Canelones
Produtor: Gimenez Mendez
Site: www.gimenezmendez.com/
Uvas/Corte: Tannat 100%
Teor alcoólico: 14 %
Preço: U$ 10; R$ 36-40 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Inglaterrra-BR)
Score: N/A
Onde encontrar: Magazzino (Natal-RN) e http://www.vinhosweb.com.br/produto.php?num=788&vinda=2
Onde foi comprado: Magazzino
Degustado: 05/10/2008
Harmonização: Codornas assadas
Serviço: 16 a 18º
Comentário Produtor
Excelente balance entre la acidez, la fruta, la astringencia y La tanicidad. Color rojo oscuro con reflejos negros y menisco violáceo. De estilo recio, equilibrado y estructurados taninos maduros, se expresa por el sendero de la mermelada de ciruela negra llenando la boca. Puede disfrutarlo ahora o guardarlo durante dos años o más. Acompañar con carnes de caza y rojas bien condimentadas
Prêmios:
Sugestão de Guarda: beber/guardar
Meus comentários:
Coloração violácea escura, no inicio mostrou-se fechado, depois de algum tempo começou a aparecer notas de frutas como ameixa madura, tânico, sugiro decantar uns 30 minutos ou mais
Avaliação: vinho médio, pode melhorar com a guarda

Bajoz Rosado


Safra: 2006
País: Espanha
Região: Toro
Produtor: Viña Bajoz
Site: http://www.vinabajoz.com/uk/bajozn.php?valor=productos4&patxi=titulowines2/
Uvas/Corte: Tinta de Toro (tempranillo) 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: U$ 10; R$ 39-45 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos BR e USA)
Onde encontrar: http://www.estacaodovinho.com.br/
Vinhedos Natal-RN
Score: Wine Spectator 84; Robert Parker 80-89 (acima da media) safra 2004
Onde foi comprado: Estação do Vinho
Harmonização: petiscos diversos
Serviço: 10-14°C
Comentário Produtor
In colour, unusually deep raspberry colour with hints of purple. On the nose, distinctive and clean with intense fruit (raspberry and strawberry) and a delicate hint of spice. Clean and fresh with well balanced acidity. Juicy and easy-drinking with a surprisingly long, inviting finish. It is a young, fresh wine that captures all the flavours of the Mediterranean.
Prêmios: Challenge Du Vin - Bordeaux 2007 - Bronze Medal
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
O vinho rose, que perdeu sua identidade com o tempo, parece que está voltando a recuperar seu reconhecimento. Cor rosada intensa, brilhante, límpido, frutado (cerejas, ameixa),notas de tostado. Encorpado, boa acidez e frescor.
Avaliação: bom

Terranoble


Safra: 2006
País: Chile
Região: Central Valley
Produtor: Viñedos Terranoble
Site: http://www.terranoble.cl/
Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: U$ 6; R$ 24-34 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos BR)
Onde encontrar: http://www.estacaodovinho.com.br/ e Vinhedos Natal-RN
Score: Wine Spectator 82
Onde foi comprado: Vinhedos
Harmonização: Paleta de cordeiro assada
Serviço: 16-18º
Comentário Produtor
Este vino posee un oscuro color rojo rubí de notable profundidad. Este Cabernet Sauvignon posee una maravillosa riqueza, concentración y complejidad. Es un vino intenso y exquisito, en sus aromas y sabores predominan las notas a frutas rojas frescas, bayas rojas, humo y chocolate. Es Ideal con carne roja, pato, carne de cerdo o ciervo. Bébalo entre 16ºC - 18ºC..
Prêmios:
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Coloração rubi intenso, frutado (frutas vermelhas maduras), pimenta preta. Encorpado, boa acidez e taninos leves, notas de chocolate e tabaco, equilibrado, bom custo/benefício.
Avaliação: bom

Callia Alta Syrah Malbec


Safra: 2006
País: Argentina
Região: San Juan - Valle de Tulúm
Produtor: Bodegas Callia
Site: http://www.bodegascallia.com/portugues/index.htm/
Uvas/Corte: Syrah 70% e Malbec 30%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: U$ 8; R$ 28-34 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos BR)


Onde encontrar:
http://www.estacaodovinho.com.br/estacao1/Site/ProdutoDetalhe.aspx?tpSite=&idProduto=182466&refresh=true
http://www.enotecadecanterbc.com.br/vinhos.php
Score: Argentina Wine Guide (3 estrelas) 2005
Onde foi comprado: Estação do Vinho
Harmonização: Paleta de cordeiro assada
Serviço: 16-18º
Comentário Produtor
Cor violeta intensa com reflexos rubis. De grande profundidade aromática, suas notas penetrantes e vigorosas mais características são as de amora, ameixa e figos maduros que juntamente com seus taninos e acidez equilibrados lhe proporcionam boa estrutura e prolongada persistência de sabor.
Prêmios: DECANTER MAGAZINE: Decanter World Wide Awards: SILVER MEDAL (apenas 5 vinhos em 112 argentinos degustados): "Vibrante. Nariz cremoso e saboroso. Muito equilibrado, gordo, fruta doce, sápido. Taninos muito bem trabalhados. Pegada agradável sem nenhuma agressividade."
Sugestão de Guarda: beber/guardar 2010
Meus comentários:
Coloração violácea com halo rubi, encorpado, frutado (amora, ameixa e figo maduro). Na boca é volumoso, com compota de frutas vermelhas, taninos macios, equilibrado, fácil de beber.
Avaliação: bom

Master of Wines

O paranaense Dirceu Vianna Júnior é o primeiro brasileiro a obter o cobiçado título Master of Wines. Ele foi um dos quinze postulantes aprovados em 2008 pelo Institute of Master of Wines, de Londres. Jancis Robinson, uma das primeiras mulheres a obter o Master of Wines, foi quem saudou os novos aprovados. Os ingleses predominavam de forma absoluta até agora, mas esse ano apareceu candidatos do Canadá, Hong Kong, Japão e da Suécia.
Vianna júnior formou-se em hotelaria no Westminter College e começou a se interessar pela enologia, foi diplomado em 1997, na Wine and Spirit Education Trust, considerada a melhor escola de vinhos da Inglaterra, desde então trabalha na importadora Coe Vintners, em Londres.
O título de Master of Wines foi instituído em 1955, quando da criação da instituição. Até agora somente 266 pessoas o receberam. O candidato tem que passar por uma maratona de exigências e provas. Deve ter no mínimo cinco anos de trabalho comprovado na área, cumprir um programa educacional de dois anos, findo pode se habilitar à inscrição. Mas isso não é tudo, o candidato tem que passar por uma maratona de provas que se repete por cinco anos sempre no mês de junho, testando à exaustão os conhecimentos do postulante em viticultura, vinificação e comércio. Além de muitas horas de estudos, a experiência conta muito. Os testes mais desafiadores são as provas de vinhos às cegas, envolvendo a identidade das uvas, regiões de origem, safra, métodos de vinificação, longevidade e qualidades. A entrega dos certificados ocorreu no dia cinco de novembro, na cerimônia anual que é realizada em Londres no Vintners’ Hall.
O instituto tem atualmente 277 membros de 22 nacionalidades diferentes. Educação, seminários e provas são realizadas em 3 países, Reino Unido, EUA e Austrália. 92 membros vivem e trabalham fora do Reino Unido, a maioria desses tornou-se membro nos últimos 12 anos.
Notable Masters of Wine

* Tim Atkin
* Michael Broadbent
* Clive Coates
* Brian McGrath
* Jasper Morris
* Remington Norman
* Jonathan Pedley
* David Peppercorn
* Jancis Robinson
* Arne Ronold
* Igor Ryjenkov
* Pat Simon
* Serena Sutcliffe

Salentein Pinot Noir Reserve


Safra: 2004
País: Argentina
Região: Valle de Uco–Tunuyán–Mendoza
Produtor: Bodegas Salentein
Site: http://www.bodegasalentein.com/bodega/bodega/espanol/index.html/
Uvas/Corte: Pinot Noir100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: U$ 18; R$ 74-84 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos BR)
Score: Wine Enthusiast: 86 (03)
Onde foi comprado: Magazzino
Harmonização: Codornas assadas
Serviço: 16-18º
Comentário Produtor
Vino de color rojo muy suave. Posee un delicado y persistente aroma, donde resalta la cereza en confitura o al maraschino y las frutas secas delicadas como la almendra, el ligero toque de tabaco y vainilla, aportados por su añejamiento en barricas de roble francés, cuesta encontrarlo, por su bella integración con el vino. En boca sorprende, su tímido color no anticipa su gran potencial y carácter; se muestra amplio, de una estructura media a alta, taninos muy maduros, muy suaves y muy dulces, en perfecto equilibrio. Posee un agradable y largo final. La exquisita combinación con el salmón rosado, al horno y la Mouse de chocolate lo transforman en el príncipe de La elegancia y placer.
Prêmios: CATADOR Wine Awards 2005 – Argentina: Salentein Pinot Noir 2003 Gold medal - Salentein Pinot Noir 2002 Medalla de Plata: Mondial Du - Pinot Noir 2005 - Sierre Switzerland: Salentein Pinot Noir 2003 Silver medal
Sugestão de Guarda: beber/guardar 2009
Meus comentários:
Coloração vermelho-castanho com halo tijolo (halo de evolução bastante pronunciado), aroma de muita fruta (principalmente cereja e amora maduras), especiarias, tostado, muitas lágrimas, no palato, frutado, caramelo, toques de café e chocolate, taninos aveludados, complexo, macio, elegante, harmônico (apesar do alto teor alcoólico), muito persistente Um delicioso pinot noir.
Avaliação: muito bom

Down Under Shiraz


Safra: 2007
País: Austrália
Região: Riverina (Nova Gales do Sul)
Produtor: Westend Estate
Site: http://www.westendestate.com.au/index.php/
Uvas/Corte: Shiraz 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: Taça R$ 12; R$ 51 (Outback Shopping Leblon)
Score: N/A
Onde foi comprado: Ouback-RJ (Lebrlon)
Harmonização: Ribs on the barbie
Serviço: 18º
Prêmios: medalhas de bronze no Australian Inland Wine Show 2007 e no Riverland Wine Show 2007
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Cor vermelho rubi, com halo violáceos. Apresenta aromas de frutas vermelhas e pimenta. Encorpado, frutos maduros, taninos macios, toque de baunilha, final persistente e agradável, fácil de beber, harmonizou bem com as carnes grelhadas
Avaliação: bom

Café brasileiro entre os melhores do mundo

O Brasil foi o grande destaque nos dois últimos campeonatos internacionais de barista. Este ano, o café brasileiro foi escolhido pelo barista Klaus Thomsen, no campeonato em Berna, Suíça. Ele venceu o campeonato com uma criação que utilizava o blend Daterra Sweet Collection/La Minita Terrazu. Antes do campeonato, ele esteve no laboratório de qualidade da fazenda Daterra, na cidade de Patrocínio (MG), onde passou dois dias em sessões de degustações para desenvolver um blend. O motivo da escolha de um café brasileiro? Ele o considera o melhor expresso. No ano passado, o café do Brasil já era destaque nas mãos do campeão Troels Proulsen, que usou o "single origin" Daterra. O segundo colocado utilizou um café do Cerrado mineiro. A prova consiste em preparar para quatro juízes, em no máximo 15 minutos, três bebidas: um capuuccino, um expresso e um drinque criado com exclusividade para o concurso. Eles são avaliados pela técnica, qualidade do expresso e da bebida, e apresentação. Os consumidores brasileiros têm a chance de apreciar o café premiado no Ateliê do Café, com exclusividade. Maiores informações pelo site www.ateliedocafe.com.br
ou tel: (19) 3728-8167.

Fonte: Revista Adega (http://revistaadega.uol.com.br/)

Viu Manent Malbec


Safra: 2006
País: Chile
Região: Colchagua Valley
Produtor: Viu Manent
Site: http://www.viumanent.cl/ViuM_I/vino/vino5/vino54.php/
Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: U$ 7,00; R$40 a 54 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos USA-BR)
Score: N/A
Degustado: 31/10/2008
Serviço: 17º a 18º
Comentário Produtor
Intensa cor violeta, no nariz este vinho exibe notas clássicas do Malbec, cereja preta e violetas. Na boca, rico em amora recentemente colhida, framboesa e a amora levam a notas de chocolate e café. Boa acidez, fresco e os taninos macios combinam para dar um longo final, elegante. Sendo que 25% da mistura foi amadurecido por 5 meses em carvalho americano de segundo e terceiro uso.
Sugestão de Guarda: beber ou guardar 2009
Meus comentários:
Coloração púrpura, aromas de frutas vermelhas (ameixa, cereja), notas florais, torrado, na boca mantém as mesmas frutas, notas de chocolate e café, boa acidez, taninos macios, estruturado com final persistente
Avaliação: bom

Novo copo para vinho


O copo Petit Coeur / Little Heart - pequeno coração, é a mais nova criação de Etienne Meneau, designer francês que desenhou uma série de jarros com formas inovadoras.
A obra de arte "Petit Coeur" é uma reinterpretação do coração humano, com seus átrios, ventrículos e aorta como bica.
O copo tem 20 cm de altura e é feito de vidro borossilicato. Apenas 12 cópias foram produzidas (oito numeradas e assinadas pelo autor, e 4 provas do artista), ao preço de 1,500 euros.
Fonte: http://revistaadega.uol.com.br/

Lagosta Thermidor

Porção 06
Ingredientes:
- 06 lagostas médias cozidas
- 250 g de manteiga
- 01 cebola picada em cubos pequenos
- 150 g (10 colheres de sopa) de farinha de trigo
- 03 colheres de mostarda
- 150 ml de vinho branco seco ou xerez
- ± 750 ml de leite
- 250 ml de natas ou creme de leite fresco
- salsa fresca picada, a gosto
- sal e pimenta do reino a gosto
- 400 g de queijo gruyère ralado
Modo de fazer:
Retire a lagosta cozida da carapaça e limpe (retire a parte esponjosa e a tripa), corte-a em cubos médios e reserve. Numa frigideira, aqueça a manteiga, doure a cebola, junte a farinha de trigo e a mostarda e cozinhe aproximadamente por um minuto. Retire a frigideira do fogo e incorpore lentamente o vinho e o leite, volte a frigideira ao fogo, mexendo sempre, até ferver e engrossar. Diminua a chama do fogo e cozinhe por ± 01 minuto. Coloque as natas ou creme de leite fresco, a carne da lagosta e a salsa, tempere com sal e pimenta a gosto. Mexa o preparado em fogo baixo até a lagosta estar quente.
Aqueça o grelhador, coloque o preparado em um refratário ou nas carapaças da lagosta, polvilhe com o queijo, leve ao forno para dourar durante cerca de 02 minutos.

Sugestão: sirva com arroz branco, batatas palha, salada mista, vinho Riesling seco ou savignon blanc.

35 anos da parceria Champagne Bollinger e 007

A parceria entre o champanhe Bollinger e o eterno agente secreto James Bond acaba de completar 35 anos. Bollinger aparece nos filmes da série do espião como sua bebida preferida desde 1973. A bebida é destaque em 12 filmes da série; desde o primeiro "Viva e Deixe Morrer", estrelado por Roger Moore em 1973, até o mais recente "Quantum of Solace", com Daniel Craig, que estréia no Brasil dia 7 de novembro.
No longa, dirigido por Marc Forster, Bond saboreia o Champagne La Grande Année 99 em três cenas: duas luxuosas recepções na Suíça e no Panamá e, como de costume, na suíte de um palácio.
A admiração do espião pelo espumante é expressa verbalmente em alguns dos filmes. Em "007 - Contra o Foguete da Morte" (1979), Bond exclama "Bollinger 69, você estava me esperando!" ao ver a garrafa no quarto da bond girl Lois Chiles. Em "007 - Um novo dia para morrer" (2002), ele pede uma Bollinger 1961 no Peninsula Hotel, em Hong Kong.
Renomada no mundo do vinho, Bollinger é um grande nome do champanhe. Fundada em 1829, é uma das poucas a receber as máximas cinco estrelas de Robert Parker, e a mais alta nota já concedida pelo crítico a um champanhe (98 pontos).
Aproveitando o lançamento do filme (Quantum of Solace), e a parceria (Bollinger x James Bond) a casa francesa de champanhe Bollinger, fundada em 1829, lança no mercado norte-americano uma inovadora embalagem para champanhe temática de James Bond. O produto em forma de uma bala de aço possui tranca e a gravação "Bollinger 007" em sua superfície. Ela guarda um champanhe magnum Bollinger Grand Année 1999.




A embalagem, criada pelo designer francês Eric Berthès, é guardada dentro de outro recipiente de madeira. O peso de todo o pacote é de cerca de 22 quilos, e seu custo é de US$5,800. A edição é limitada; somente 207 "balas" numeradas serão produzidas.




Fonte: http://revistaadega.uol.com.br/

Marco Luigi Reserva Brut


Tipo: Branco
Nível: Espumante
Classe: Brut
País: Brasil
Estilo: não safrado
Método: champenoise
Graduação alcoólica: 12%
Preço: R$ 27-36 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos BR), nos restaurantes varia de R$ 40 a 72
Uvas/Corte: Chardonnay
Produtor: Marco Luigi (Valduga)
Região: Vale dos vinhedos Bento Gonçalves
Site: http://www.marcoluigi.com.br/home3.html/
Score: N/A
Onde foi comprado: Guinza restaurante
Degustado em: 07/11/2008
Harmonizado com: bolinho bacalhau, casquinha siri, pastéis de camarão, salmão com amêndoas, camarão ao champagne
Comentário Produtor
Espumante Reserva da Família. Elaborado com uvas chardonnay pelo método "champenoise" (fermentação na garrafa). É uma bebida clássica, elegante e festiva, que harmoniza com as mais diversas variedades de pratos. Equilibrado, com ótima acidez e persistência. Temperatura de consumo: 4 a 6°C.
Serviço: 6º C
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Amarelo palha com reflexos esverdeados, límpido, perlage fina média persistência, frutado (maçã, abacaxi), macio com boa acidez e persistência, pode acompanhar refeição desde entrada à sobremesa.
Avaliação: bom

I Prêmio Deguste de Gastronomia 2008

A enogastronomia potiguar esteve em festa no dia 12 de setembro, por causa do I Prêmio Deguste de Gastronomia 2008
O resultado da premiação, obtido com o voto de cinqüenta jurados, experts no assunto, foi revelado em uma grande comemoração, “Esta iniciativa é uma forma de incentivar o segmento em nosso Estado. Acredito que o Prêmio Deguste, assim como a revista que veio evoluindo nestes anos, deve virar uma tradição na cidade”, relata o diretor executivo da Deguste Comunicação.
Os jurados votaram de acordo com 17 categorias e os vencedores foram:

Melhor restaurante - Abade

Melhor bistrô – Douce France

Melhor maître – Francimar Leite da Silva

Melhor chef – Camilla Cinquetti

Melhor restaurante de comida portuguesa - Abade e Santa Maria

Melhor restaurante de comida contemporânea – Agaricus e Da Camilla

Melhor restaurante de comida oriental - Guinza

Melhor restaurante de comida italiana - Piazzale

Melhor restaurante de comida regional – Âncora Caipira

Melhor restaurante de carne – Churrascaria Sal e Brasa

Melhor restaurante de frutos do mar – Camarões Potiguar

Melhor restaurante self-service - Cassol

Melhor pizzaria - Piazzale

Melhor carta de vinhos - Guinza

Melhor sanduíche - Subway

Melhor café – Livraria Siciliano

Melhor bar – Boemia, Ilha do Chopp. Dom Café e Cervantes.

Fonte: http://www.revistadeguste.com/

Tributo Brut


Tipo: Branco
Nível: Espumante
Classe: Brut
País: Brasil
Estilo: não safrado
Método: charmat
Graduação alcoólica: 12%
Preço: R$ 16-22 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos BRUvas/Corte: Chardonnay e Pinot Noir
Produtor: Vinícola Marco Luigi
Região: Vale dos vinhedos Bento Gonçalves
Site: http://www.marcoluigi.com.br/home3.html/
Score: N/A
Degustado em: 31/10/2008
Harmonizado com: queijos, frutos do mar
Comentário Produtor
O vinho base é elaborado com uvas Chardonnay e Pinot Noir cultivadas e selecionadas em vinhedos próprios, com rigoroso controle de produção e de qualidade com o acompanhamento de todas as etapas pelos proprietários e Enólogo da Vinícola . A segunda fermentação ocorre em auto clave com temperatura controlada por um longo período , que resulta em um espumante de cor amarelo esverdeado com perlage fino , abundante e persistente. Os aromas complexos lembram flores brancas e frutas . Na boca apresenta agradável refrescância com um final macio e persistente .
Serviço: 6 a 8º C
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Os irmão Luís, Cândido e Victor Valduga são pioneiros na tradição de elaborar vinhos finos na Serra gaúcha. Eles fundaram, respectivamente, as vinícolas Casa Valduga, Dom Cândido e Marco Luigi
Cor amarelo esverdeado, perlage intensa e fina, boa espuma, possui aromas cítricos (maçã verde), notas florais, excelente acidez.
Avaliação: vinho corrente, bom custo/benefício

Dr Burklin-Wolf


Safra: 2005
País: Alemanha
Região: Pfalz
Produtor: Dr Burklin-Wolf
Site: http://www.buerklin-wolf.de/fs_home.htm/
Uvas/Corte: Riesling 100%
Teor alcoólico: 12%
Preço: £ 7-8; U$ 18-19; R$ 81,90 a 89,57 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Inglaterrra-BR)
Score: Wine Spectator: 88 pontos
Onde foi comprado: Vinhedos
Degustado: 26/10/2008
Harmonização: Lagosta thermidor
Serviço: 9 a 11ºC º
Sugestão de Guarda: beber, guardar 2010
Meus comentários:
A família Bürklin produz vinho desde o século XVI no Pfalz (Palatinado), região que se estende desde a fronteira da Alsácia francesa até Worms, onde se produzem alguns dos melhores brancos alemães. Seu prestígio junto à crítica mundial é grande e plenamente justificado, como se pode comprovar degustando este excelente Riesling Trocken (seco).
Vinho complexo, amarelo palha com halo dourado, fresco, boa acidez, aroma muito agradável, frutado, sabor pêssego e leve petróleo (querosene), bom fim de boca. apesar de se um Trocken (indica vinhos secos) é levemente doce.
Avaliação: muito bom

Rose D'Anjou


Safra: 2006
País: França
Região: Loire
Uvas/Corte: Grolleau100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: £ 6-8; R$ 29-43 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Inglaterrra-BR)
Score: N/A
Onde foi comprado: HiperBompreço
Degustado: 26/10/2008
Harmonização: Rolinho de presunto Parma com batata baroa
Serviço: 10º
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Vinho de coloração rosa claro suave, aroma intenso. Leve e refrescante, apresenta sabor delicado, sutilmente adocicado e frutado
Avaliação: vinho corrente

Paul Bur Brut


Tipo: Blanc des Blancs
Nível: Espumante
Classe: Brut
País: França
Estilo:
Método: charmat
Graduação alcoólica: 11%
Preço: U$ 10-16; € 4; R$ 40-50 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos USA-UK-BR), nos restaurantes chega a R$ 79
Uvas/Corte: Chardonnay, Sauvignon Blanc, Chenin Blanc
Produtor: Sorevi
Região: Bordeaux
Site:
Score: N/A
Onde foi comprado: Zahil (http://www.zahil.com.br/vinho/espumante-veuve-paul/380.aspx)
Degustado em: 26/10/2008
Harmonizado com: queijo de búfala enrolado com tomates secos e manjericão
Comentário Produtor
Veuve Paul Bur foi o nome de uma Champagne muito famosa no final do século 19, elaborada pela viúva que deu seu nome a ela. Quando de sua morte, seus filhos assumiram a empresa, que mantiveram até a década de 50, quando a família de Eugene Charmat a adquiriu e insuflou-lhe energia produzindo espumantes através do método industrial inventado por ele. O grupo francês SOREVI foi criado em função da compra da marca de grande renome, o que permitiu que se elaborasse um espumante de altissimo nível.
Serviço: 6 a 8º C
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Amarelo palha com tons esverdeados, límpido, perlage fina e persistente, aroma frutado, notas florais, acidez e frescor agradável, um espumante fácil de beber, boa relação custo/benefício
Avaliação: Bom

Jantar do Século

O Jantar do Século reúne estrelas da alta gastronomia espanhola que assinam juntos um menu e o executa em um só lugar.
E agora, esse feito acontece no Brasil no dia três de novembro, às 20h30, no Grand Hyatt, em São Paulo (SP). Para participar deste encontro, só 80 gourmets conseguiram comprar o ingresso através do leilão, cuja renda será revertida para instituição beneficente.
Para este jantar, cada chef convidado criou uma receita para compor o banquete. A alta cozinha do Brasil estará representada com o chef Alex Atala (D.O.M.).
Menu:
Tomate raf recheado, sucos de tomate e vagem com camaroes pequenos por Dani Garcia-Calima
Ostras ao cava (espumante espanhol) por Joan Roca-El Celler de Can Roca
Moshi de gorgonzola por Ferran Adrià-El Bulli
Pão-de-lo de gergelim negro e miso por Ferran Adrià-El Bulli
Mil folhas caramelizado de enguia defumada, foie gras, cebolinha e maça verde por Martin Berasategui-Martin Berasategui
Sardinas com levedura por Marcos Moran-Casa Gerardo
A galinha dos ovos de ouro por Quique da Costa-El Poblet
Sopa de alho por Manolo de La Osa-Las Rejas
Tartar de tomate com camarão e ajo branco por Francis Paniego-Echaurren
Risoto liquido de coco com azeite de dendê, menta e nori por Alex Atala-D.O.M
Arroz de montanha por Nando Jubany-Can Juban
Atum em fogueira de escamas e cebola por Juan Mari Arzak-Arzak
Peixe assado em brasas de azeitona sobre guacamole de azeitonas verdes por Angel Leon-Aponiente
Foie gras com cerejas e caldo dashi por Andoni Luis Aduriz-Mugaritz
Jarrete de novilho a baixa temperatura por Paco Roncero-La terraza Del Casino
Gim Tonica por Pedro Subijana-Akelare
Creme catalão com priprioca por Alex Atala-D.O.M
Good-bye Sugar por Julio Cesar Blanco-Confeitaria Pomme Sucre
Petit Fours por Christian Escriba-Pastelaria Escriba)
Fonte:
http://chefonline1.tempsite.ws/home/noticia.php?codigo=1455

Dia Mundial do Macarrão


Sábado, dia 25 de outubro, se comemora o Dia Mundial do Macarrão. A data é lembrada em vários países, entre eles EUA, México, Turquia, Itália, Alemanha, Venezuela e Brasil, claro. Terceiro maior produtor de macarrão do mundo, o país tem um consumo per capita anual de 5,6 kg. Por ter uma enorme colônia italiana, tais números triplicam em São Paulo. A data foi escolhida em 1995, durante o I Congresso Mundial da Pasta, que reuniu os principais fabricantes de macarrão do mundo, em Roma, na Itália.
O macarrão começou a ser preparado logo que o homem descobriu que podia moer alguns cereais, misturá-los com água e obter uma pasta que podia ser cozida ou assada. A origem do macarrão é incerta, mas o que se pode afirmar é que vem da antiguidade. Textos de civilizações antigas relatam que os assírios e babilônios, por volta de 2.500 A.C., já conheciam um produto similar. Várias são as versões para o surgimento do produto, a mais recentemente diz que pesquisadores encontraram vestígios de um macarrão em um sítio arqueológico de cerca de 4 mil anos, junto ao Rio Amarelo, na China. O fio de macarrão amarelo, o mais antigo já visto, mede cerca de 50 centímetros e foi feito de grãos de milho, diferente do tradicional, corroborando a versão mais comum, que o macarrão teria chegado ao ocidente pelas mãos de Marco Polo, mercador veneziano que visitou a China no século 13.
Entretanto, na Itália, já em 1279, 16 anos antes do retorno de Marco Polo, foi registrada uma cesta de massas no inventário de bens de um soldado genovês, Ponzio Bastione. A palavra macaronis, usada no inventário, seria derivada do verbo maccari,de um antigo dialeto da Sicília, significa achatar e que, por sua vez, vem do grego makar, que quer dizer sagrado.
A versão mais aceita pelos historiadores diz que os árabes levaram a massa à Sicilia no século 9, quando conquistaram a ilha, considerada a maior da Itália.
Apesar das confusões, uma coisa é certa: a partir do século XIII, os italianos foram os maiores difusores e consumidores do macarrão por todo o mundo. Foram eles que inventaram mais de 500 variedades de tipos e formatos.
O Brasil é o terceiro maior produtor de macarrão do mundo, com 1 milhão de toneladas (dados de 2001), e faturamento na ordem de R$ 2 bilhões. O consumo de macarrão no Brasil é de 5,6 kg por pessoa, a cada ano.

Mangia che te fa bene

Enólogo do Ano 2008

A quinta edição do concurso “Enólogo do Ano”, promovido pela Associação Brasileira de Enologia (ABE), é realizado em três etapas. Na primeira etapa são indicados os nomes dos enólogos que serão analisados por uma comissão (representante da ABE, Centro Federal de Educação Tecnológica de Bento Gonçalves (CEFET-BG), Embrapa Uva e Vinho e Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), além dos patrocinadores Ibrac indústria e Comércio e Amazon Group). Na segunda etapa são indicados três finalistas e na etapa final no dia 24 de outubro, onde será anunciado o resultado da eleição, durante jantar do Dia do Enólgo. Para concorrer ao título, é necessário que o enólogo seja associado da ABE no mínimo há dois anos, deve ter formação técnica em Enologia e Viticultura, três anos de experiência na profissão, estar exercendo a atividade, trabalhar em prol do profissional de Enologia, ter atuação setorial e inovação tecnológica. O presidente da ABE não pode concorrer à distinção. O objetivo do concurso é valorizar o enólogo, em reconhecimento a este profissional que busca diariamente o aperfeiçoamento e a qualificação para garantir a qualidade dos vinhos brasileiros.
O prêmio será uma viagem para a Europa, a fim de visitar uma feira do setor vitivinícola. O Enólogo do Ano 2008, deverá, em data a ser definida, apresentar relatório e palestra aberta a todos os associados a fim de apresentar suas experiências durante a viagem técnica com a finalidade de multiplicar conhecimentos.
Retrospectiva
Enólogo do Ano 2004 – Antônio Czarnobay
Enólogo do Ano 2005 – Gilberto Pedrucci
Enólogo do Ano 2006 – Firmino Splendor
Enólogo do Ano 2007 – Adriano Miolo
Fonte: Associação Brasileira de Enologia (ABE) www.enologia.org.br

Vinho Brasileiro ganha prêmio na Hungria


Concorrendo com 554 amostras de diversos países, o Casa Valduga Cabernet Sauvgnon Premium 2005 ganhou a premiação máxima, garantindo a única Medalha de Ouro para o Brasil no VinAgora International Wine Competition 2008, realizado em Budapeste, Hungria; evento realizado pela Organização Inernacional da Uva e do Vinho (OIV) e União Internacional de Enólogos (UIOE), o concurso VinAgora também integra a Federação Mundial dos grandes concursos internacionais de vinhos e licores (VINOFED). Elaborado com uvas da safra 2005, considerada a melhor de todos os tempos no Brasil, o Cabernet Sauvignon Premium é um vinho complexo e vigoroso.

DIA DO MÉDICO

"Parabéns! Àqueles que com habilidade, lucidez, compreensão e correção nas atitudes, podem aliviar ao menos uma parte do sofrimento de seus semelhantes".
O dia 18 de outubro foi escolhido como dia dos médicos¹ por ser o dia consagrado pela Igreja Católica a São Lucas. Segundo a tradição, Lucas era médico, além de pintor, músico e historiador, e teria nascido e estudado medicina em Antióquia.Ele não era hebreu e sim gentio, como era chamado todo aquele que não professava a religião judaica. Não há dados precisos sobre a vida de Lucas. Não há provas documentais, porém há provas indiretas de sua condição de médico. A principal delas nos foi legada por Paulo, na epístola aos colossenses, quando se refere a "Lucas, o amado médico" (4:14). Foi grande amigo de Paulo e, juntos, difundiram os ensinamentos de Jesus entre os gentios. A escolha de Lucas como patrono dos médicos nos países que professam o cristianismo é bem antiga. Eurico Branco Ribeiro, renomado professor de cirurgia e fundador do Sanatório S. Lucas, em São Paulo, é autor de uma obra fundamental sobre Lucas, em quatro volumes, totalizando 685 páginas, fruto de investigações pessoais e rica fonte de informações sobre o patrono dos médicos. Nesta obra, intitulada "Médico, pintor e santo", o autor refere que, já em 1463, a Universidade de Pádua iniciava o ano letivo em 18 de outubro, em homenagem a São Lucas, proclamado patrono do "Colégio dos filósofos e dos médicos". A escolha de São Lucas como patrono dos médicos e do dia 18 de outubro como "dia dos médicos", é comum a muitos países, dentre os quais Portugal, França, Espanha, Itália, Bélgica, Polônia, Inglaterra, Argentina, Canadá e Estados Unidos. No Brasil acha-se definitivamente consagrado o dia 18 de outubro como "dia dos médicos"

ORAÇÃO DO MÉDICO
Senhor,
Tu és o grande médico
Ajoelho-me diante de ti,
Já que tudo que é bom
Vem de ti, eu te peço:
Habilidade para as minhas mãos,
Lucidez para o meu espírito e
Compreensão para meu coração
Afasta do meu coração
A cobiça e a mesquinhez,
Dá-me a correção nas atitudes e
Força para poder aliviar
Ao menos uma parte
Da carga de sofrimento,
Dos meus semelhantes,
Dá-me a graça de compreender
O privilégio que tu me concedes
Dá-me a graça de confiar em ti
Com fé simples de uma criança.
Amém.

SER MÉDICO²
Ser Médico...
aliviar sofrimentos
penetrar fundo nos tormentos
da humanidade
Ser Médico...
dar de si profundamente
sentir a dor do doente
compreender a sua sorte
é se doar por inteiro
é romper o nevoeiro
que separa vida e morte
Ser Médico...
uma vida a dar vidas
a mão que cura feridas
a palavra que conforta
o olhar compadecido
ele é sempre o amigo
que ao bater lhe abre a porta
Ser Médico...
é infundir confiança
ao velho, ao jovem, à criança
é ser de Deus o instrumento
dando alívio à dor alheia
tecer fibra a fibra uma teia
seguindo o seu juramento
Ser Médico...
é ter na mão a leveza
agir com delicadeza
é ver em cada criatura
o pai, a mãe, o filho, o parente
para que seu trabalho apresente
o dom verdadeiro da cura
Ser Médico...
é empreender com carinho
conhecer e traçar seu caminho
sem jamais pensar no tédio
comprimidos não resolvem
nem diplomas se devolvem...
é uma paixão sem remédio!!!
1 Fonte: Joffre M. de Rezende - http://usuarios.cultura.com.br/jmrezende
2 Poesia de autoria da Drª. Murita L. da Cruz Rios Sampaio, em homenagem ao dia do médico - 18 de outubro

Antepasto de Berinjelas

Ingredientes:
3 berinjelas grandes
3 colheres (sopa) de azeitona preta picada
1 pimentão verde
1 pimentão vermelho
2 cebolas grandes
4 colheres (sopa) de vinagre balsâmico
3 folhas de louro
Açúcar mascavo (uma colher de sobremesa)
Sal a gosto

Ingredientes para tempero:
1 xícara (chá) de salsinha picada
1 colher sobremesa orégano
Pimenta do reino a gosto
Pimenta calabresa em flocos a gosto (opcional)
4 dentes de alho amassados
¼ xícara (chá) de azeite de oliva

Preparo da berinjela: lave as berinjelas, despreze as pontas e corte-as com a casca em cubos médios. Lave os pimentões, tendo o cuidado de retirar todas as sementes e corte-os em cubos médios. Descasque as cebolas, faça cortes no sentido do comprimento para obter as pétalas. Misture todos esses ingredientes, tempere com sal a gosto, junte as folhas de louro e acomode em uma assadeira grande. Leve ao forno para assar em temperatura mínima (120º) por aproximadamente 30 minutos. Retire do forno e adicione o vinagre e o açúcar mascavo. Misture tudo muito bem e retorne ao forno por mais 20 minutos. Adicione o tempero. Sirva como entrada com pão italiano.
Preparo do tempero: misture a salsinha o oregano, a pimenta do reino o alho e o azeite. O tempero deve ser adicionado assim que a berinjela sair do forno.

Santa Ana Reserve Chardonnay


Safra: 2007
País: Argentina
Região: Finca La Mascota, Cruz de Piedra, Maipú, Mendoza
Produtor: Bodegas Santa Ana (grupo Peñaflor)
Site: http://www.bodegas-santa-ana.com.ar/introes.html/
Uvas/Corte: Chardonnay 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: £ 7-8; U$ 8-9; R$ 15-20 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos UK, USA e BR)
Score: N/A
Comprado/Degustado: Carrefour 26/09/2008 e Degustado: 12/10/2008
Harmonização: Gnochi c/ molho queijo e peixe assado
Serviço: 10º
Comentário Produtor
Santa Ana Chardonnay Reserve muestra un color amarillo dorado con destellos verdosos. Elegante y complejo, com muy buen balance entre los aromas de frutas tropicales y vainilla. Gran textura y excelente integración de todos los componentes, con un poderoso final, fresco y vivaz. Servicio 9-13º. Sugerencias Ideal para disfrutar con pescados grillados, mariscos, pollo o ensalada Caesar..
Prêmios e comentários de críticos especializados para Bodega Santa Ana:
MEDALLAS DE BRONCE en el “Japan Wine Challenge 2008” - “Santa Ana Malbec Reserve” y “Santa Ana Torrontés”
MEDALLA DE ORO “Selections Mondiales des Vins Canada 2008” – “Torrontes Reserve 2007”
MEDALLA DE PLATA “Selections Mondiales des Vins Canada 2008” – “Malbec-Shiraz Reserve 2006”.
MEDALLA DE ORO “Hyatt Wine Awards 2007” – “La Mascota Cabernet Sauvignon 2005”
MEDALLA DE PLATA “International Wine & Spirit Competition-ISWC 2006”. Santa Ana Malbec 2006”
Jancis Robinson impresionada por Santa Ana Viognier Reserve 2006 (score 16,5)
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Ainda não conhecia a Bodega Santa Ana, e achei que fosse uma vinícola sem muita importância, por produzir vinhos baratos, mas trata-se de uma vinícola com 117 anos de fundação (fundada em 1891 por Luis Tirasso, pioneiro no desenvolvimento da vitivinicultura da Argentina), com alguns de seus vinhos com premiações importantes assim como bons comentários dos especialistas para alguns de seus varietais, além de fazer parte hoje em dia do grupo Peñaflor (Trapiche, Santa Ana, Finca Las Moras, El Esteco, Bodegas La Rosa, Andeam Viñas e Peñavid), traduzindo em seus vinhos um bom custo/benefício. Este chardonnay em questão apresenta coloração amarelo com tons dourado, brilhante, aromas de frutas tropicais (abacaxi, banana), acidez média, fresco.
Avaliação: vinho corrente (bom custo/benefício)

Viu Manent Cabernet Sauvignon


Safra: 2007
País: Chile
Região: Valle de Colchagua
Produtor: Viu Manent
Site: http://www.viumanent.cl/
Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 100%
Teor alcoólico: 14,2%
Preço: £ 7-8; R$ 33-40 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Inglaterrra-BR)
Score: N/A
Comprado: Magazzino 09/10/2008
Degustado: 09/10/2008
Harmonização: File ao molho funghi com spaghetti
Serviço: 17 a 18ºC.
Comentário Produtor
De color rojo rubí profundo, este vino muestra una nariz llena de aromas a cassis, frutos rojos maduros y especias. En boca evidencia notas complejas a frambuesas, cerezas y café mocka, complementadas por taninos firmes pero suaves, que dan como resultado un persistente y elegante final. Disfrutar con carnes rojas asadas, guisos calientes y quesos maduros. Temperatura recomendada al servir: 17 a 18ºC.
Sugestão de Guarda: beber/guardar 2009
Meus comentários:
De cor vermelho rubi profundo, este vinho mostra aromas de frutas vermelhas maduras, doce goiaba, e pimenta preta. No paladar sabores de framboesa, baunilha, cereja,taninos suaves, boa persistência. Melhorou com a harmonização
Avaliação: Bom

Viu Manent Merlot


Safra: 2007
País: Chile
Região: Valle de Colchagua
Produtor: Viu Manent
Site: http://www.viumanent.cl/
Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: £ 9; R$ 33-39 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Inglaterrra-BR)
Score: N/A
Onde foi comprado: Magazzino 09/10/2008
Degustado: 09/10/2008
Harmonização: File com molho funghi e spaghetti
Serviço: 18°
Comentário Produtor
Color rojo rubí profundo. En nariz evidencia una gran intensidad, con aromas a ciruelas maduras, frutos negros y chocolate amargo. En boca tiene notas a pan de pascua y especias, acompañadas de una vainilla dulce, proveniente del uso cuidadoso de roble americano. Taninos firmes pero suaves, dan como resultado un largo final. Ideal como acompañamiento de perdiz, codorniz y faisán. También estofados sabrosos como Goulash y Coq au Vin, además de pan amasado con hierbas.
Sugestão de Guarda: beber ou guardar até 2009
Meus comentários:
Coloração rubi intenso, com halo violáceo, aromas de frutas maduras (ameixa, cereja), no palato, frutas maduras, chocolate, acidez leve, taninos suaves, persistência média. Pode ser que venha a melhorar com a guarda
Avaliação: vinho corrente

Viu Manent Malbec Rose


Safra: 2006
País: Chile
Região: Colchagua Valley
Produtor: Viu Manent
Site: http://www.viumanent.cl/
Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 13,5%
Preço: £9,0 U$ 10-14; R$ 30-38 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos USA-BR)
Score: N/A
Onde foi comprado: Magazzino em 09/10/2008
Degustado: 09/10/2008
Harmonização: risoto de pato e frutos do mar
Serviço: 12º
Comentário Produtor
As uvas foram prensadas e conduzidas aos tanques, passando por baixas temperaturas (entre 9 e 11ºC). Foram maceradas durante 24 horas antes do mosto ser transportado por gravidade até outro tanque, onde foi decantado por 72 horas para conseguir a separação do suco e das borras. A fermentação foi realizada por leveduras selecionadas e durou 19 dias. O vinho foi estabilizado, filtrado e engarrafado. Cor violeta brilhante e aromas marcantes de morangos, cerejas e pétalas de rosas. No paladar evidencia sabor de maça vermelha, acompanhado de uma acidez com bastante frescor. Seu final é bem estruturado e persistente. POTENCIAL DE GUARDA Beber agora. O vinho não passou por carvalho. Um vinho com bastante estilo e fácil de beber. Ideal como aperitivo ou acompanhando frutas frescas, saladas e mariscos. Temperatura de serviço recomendada: 12ºC.
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Coloração rosa, límpido, frutado com notas de flores, no palato apresenta frescor agradável, com acidez leve e sabores morangos, cerejas, persistência média, equilibrado e elegante.
Avaliação: bom

Santa Ana Rose


Safra: 2007
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Bodegas Santa Ana
Site: http://www.bodegas-santa-ana.com.ar/introes.html/
Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 13%
Preço: £ 7-15; R$ 8-9 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Inglaterrra-BR)
Score: N/A
Onde foi comprado: Carrefour 26/09/2008
Degustado: 05/10/2008
Harmonização: Codornas assadas
Serviço: 12º
Comentário Produtor
Santa Ana Malbec ES um vino que exhibe gran delicadez; y elegância. De color rojo transparente, com aromas intensos a frutas negras y frutilas. Este vino ES ideal para los dias de verano, como aperitivo o para acompanhar ensaldas o postres. Sirvalo a 10º - 12º ºC.
Prêmios: IWSC 2006 - INTERNATIONAL WINE & SPIRIT COMPETITION 2006. Santa Ana Malbec Rosé - 2005 - Medalla de Bronce
11° Japón Wine Challenge medallas de bronce Santa Ana Malbec Rose 2008
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Coloração rosa, brilhante, aromas de cerejas, morango e groselha, fresco, mantendo no palato as mesmas frutas. Vai bem como aperitivo ou combinado com peixes, saladas e comidas condimentadas
Avaliação: vinho corrente

De Gréville Demi-Sec


Tipo: branco
Nível: Espumante
Classe: demi-sec
País: Brasil
Estilo: 2007
Método: charmat
Graduação alcoólica: 12,3%
Preço: R$ 25-27 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos BR)
Uvas/Corte: Riesling Itálico e Semillon
Produtor: Bacardi-Martini do Brasil
Região: Garibaldi - RS
Site: http://www.bmb-vinhos.com.br/linha_degreville.htm/
Score: N/A
Onde foi comprado: Carrefour 26/09/2008
Degustado em: 02/10/2008
Comentário Produtor
Engarrafado a – 4ºC em equipamento adequados, que impedem a perda do gás carbônico. Apresenta borbulhas finas e persistentes. O vinho espumante Demi-Sec é recomendado para acompanhar sobremesas, sempre gelado.
Serviço: 8º C
Prêmios:
2000 Beijing International Wine Challenge China Bronze Demi Sec
2000 La Mujer Elige Argentina Prata Demi-Sec
2001 The International Wine and Spirit Competition Inglaterra Bronze Demi-Sec
2001 San Francisco International Wine Competition EUA Bronze Demi-Sec
2002 La Mujer Elige Argentina Prata Demi-Sec
2002 II Concurso do Espumante Fino Brasileiro Brasil Prata Demi Sec
Meus comentários:
Amarelo esverdeado, límpido, perlage fina e persistente, floral e frutado
Acidez suave, macio, doce com sabor de frutas tropicais, média persistência.
Avaliação: espumante corrente

Viu Manent Chardonnay


Safra: 2007
País: Chile
Região: Colchagua Valley
Produtor: Viu Manent
Site: http://www.viumanent.cl/
Uvas/Corte: Chardonnay 92%, Viognier 8%
Teor alcoólico: 14,3%
Preço: £7,0 U$ 8-12; R$ 30-38 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos USA-BR)
Score: Wine Spectator 82 (2006); Wine Enthusiast 83 (2006)
Onde foi comprado: Magazzino em 26/09/2008 e 09/10/2008
Degustado: 26/09/2008 e 09/10/2008
Harmonização: queijos variados e risoto de pato e frutos do mar
Serviço: 12º
Comentário Produtor
Oak - 10% of the blend was fermented and aged for 3 months in a mixture of American and French barrels with weekly lees stirring. This elegant wine shows lifted notes of grapefruit, fig, pear, and pineapple backed by just a hint of toasty oak. In the mouth it is full bodied with a fresh, zesty acidity leading to a long, creamy finish. Enjoy on it's own as an aperitif or accompanied by poultry, fresh fish and ripe white cheeses. Serving temperature: 11 to 13 C.
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Coloração amarelo palha com halo prateado, límpido, frutado (frutas brancas), no palato apresenta-se untuoso, frescor agradável, com acidez média e sabores de frutas brancas maduras
Avaliação: bom