"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca" (Mateus 26:41)

Don Melchor

Safra: 2005
País: Chile
Região: Valle del Maipo, Puente Alto
Produtor: Concha y Toro
Site: http://www.conchaytoro.com/
Uvas/Corte: 97% Cabernet Sauvignon - 3% Cabernet Franc.
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: € 46, £ 35; U$ 65 a 139; R$ 290 a 450 (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos Europa, Inglaterra, EUA e Brasil)
Score: 96 pontos WS; 94 pontos WA; 93 pontos WE; 92 pontos (2006) ST; 16,5 pontos Jancis Robinson
Onde Comprar:    
1. Wine.com    
Degustado: 27/07/2011
Sugestão de Harmonização: cordeiro assado, carnes com molhos encorpados.
Serviço:  18º (decantar)
Comentários
Don Melchor foi saudado como o melhor Cabernet Sauvignon do Chile tanto pela Revista Wine Spectator como pela Wine Avocate (Robert Parker). Don Melchor fundador da adega Concha y Toro, hoje empresta o nome ao vinho que se tornou um símbolo do melhor que a terra e a mão do enólogo podem produzir no Chile. A Vinha Puente Alto no Valley del Maipo, possui a combinação perfeita de clima e solo para produção de um vinho de classe mundial. O clima é ideal e previsível, e a terra é pobre e cascalhosa para reduzir os rendimentos e aumentar a concentração naturalmente. Após a fermentação, o vinho estagiou em finas pipas de carvalho Franceses por 14 meses, seguido por mais um ano na garrafa antes da liberação.
Prêmios:
1. Don Melchor 2005: 12º lugar TOP100 Wine Spectator's 2008 com 96/100 pts
Estimativa de Guarda:  até ± 2017
Meus comentários:
 Don Melchor foi lançado em 1989 pela Concha Y Toro e desde então vem recebendo boas pontuações pelos críticos especializados. Puente Alto, é uma região que congrega solo pedregoso, a brisa dos Andes e as temperaturas amenas sobre o Vale do Maipo, proporcionando um bom terroir para a Cabernet Sauvignon. O terroir do Don Melchor é separado em sete grandes parcelas, que são subdivididas em pequenas áreas, produzindo deste modo 130 diferentes vinhos. Cada pedacinho de chão tem colheita e vinificação separada, para extrair da fruta o seu máximo. Algumas áreas dão álcool, estrutura, cor, corpo. Outras aportam fruta, frescor, aromaticidade.
 Somente após várias baterias de provas é que se define que proporção de cada vinho entra na mistura final. Muitos são descartados, só o melhor é aproveitado. Na hora de decidir a mistura final, são analisados dezenas de vinhos. Com o corte definido, eles fazem a mescla e colocam em barrica (longo estágio de maturação antes de ser comercializado: 14 meses em barricas de carvalho francês e mais 12 na garrafa); só então, chega ao mercado. Enrique Tirado, enólogo chefe, comenta que foram feitos nada menos que 130 vinhos diferentes, para o Don Melchor 2007, cerca de 120 de Cabernet Sauvignon e o restante de Cabernet Franc, que aparece no Don Melchor com módicos percentuais, nunca superiores a 10%.
Coloração rubi profunda, aromático, complexo  (frutado, café, madeira, pimenta preta, especiarias), no palato bom frescor, frutado, chocolate, taninos presentes mas domados, encorpado, harmônico, com final persistente, deverá melhorar mais ainda com a guarda adequada. Sugiro decantar ± 60 minutos antes da degustação
Avaliação: excelente  
Postar um comentário