"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca" (Mateus 26:41)

Tokaji Aszú


O vinho que melhor representa a Hungria e os húngaros é, sem dúvida, o Tokaji Aszú - ou Tokay Aszu (França e Inglaterra), como frequentemente é conhecido fora das fronteiras daquele país. Tokaji significa procedente de Tokaj, região situada a 200 km a leste de Budapeste e Aszú significa bagos botritizados.
Esta região é o reflexo de uma tradição vinícola única, existente há pelo menos mil anos e que se manteve intacta até aos nossos dias e a sua paisagem cultural histórica faz parte do Património Mundial da UNESCO desde Junho de 2002, encontra-se situada a uma altitude entre 100 a 400 metros acima do nível do mar. O seu clima tipicamente continental é caracterizado por invernos extremamente frios e verões muito quentes. A generalidade das suas vinhas situam-se nas encostas dos montes Zemplen, junto aos rios Bodrog e Tisza. O tipo de solo é predominantemente de origem vulcânica com uma elevada percentagem de argila. A reunião de todos estes factores cria condições propícias ao desenvolvimento de Botrytis cinerea, favorecido pela já referida proximidade dos rios e consequente humidade.
O Tokaji é lendário e foi o primeiro vinho de que se tem notícia feito com uvas atacadas pela “podridão nobre” – a mesma do vinho francês Sauternes.
Durante séculos, esse vinho tem sido considerado um dos melhores do mundo. Sua fama se estende através da história: Luiz XIV, uma vez, declarou que o Tokaji era “vinum regum, rex vinorum”, isto é, “o vinho dos reis e o rei dos vinhos
Como muitas vezes acontece, algumas descobertas notáveis são o resultado de erros acidentais e parece que o Tokaji Aszú não foi uma exceção à regra.
Em meados do século XVII, o padre Szepsi Laczkó começou a conduzir uma investigação experimental com a uva nativa húngara, chamada Furmint. Decidiu fazer testes com a secagem das uvas na vinha e - infeliz ou felizmente - isso aconteceu durante um período de invasão turca no território. Os húngaros foram forçados a pegar em armas, esquecendo suas atividades diárias, incluindo a colheita das uvas. Em seu retorno, no final do outono, as uvas estavam completamente secas e com bolor.
Szepsi Laczkó resolveu colhê-las mesmo assim e preparou um vinho com aquela mistura de uvas secas e mofadas. Para sua surpresa, o vinho resultante tinha um sabor marcante e um aroma muito rico. O sacerdote, então, adicionou a esse néctar, um pouco do vinho normal, produzido no ano anterior, dando assim origem ao Tokaji Aszú. Essa formula é utilizada praticamente até os dias de hoje, com alguns incrementos.
As principais castas utilizadas nesta região, nomeadamente para a elaboração do Tokaji, são fundamentalmente as Furmint (casta com um elevado potencial aromático), Hárslevelü (que proporciona a formação de um elegante bouquet nos vinhos obtidos) e Muscat.
As caves do vinho Tokaji são cavadas nas rochas das montanhas vulcânicas da região, formando labirintos que chegam a ultrapassar os 30 quilómetros. Estas caves mantém de forma natural níveis constantes de temperatura e humidade, criando condições ideais para armazenar e envelhecer os vinhos da região.

Tipos de vinhos de Tokaj:

* Vinhos secos: Apelidados em tempos ordinarium (vinho comum) hoje em dia passaram a indicar o nome das respectivas castas: Tokaji Furmint, Tokaji Hárslevelû e Tokaji Sárgamuskotály.
* Vinhos de Vindimas Tardias: Nesta categoria encontram-se vinhos provenientes de uvas parcialmente botrytizadas, com maior ou menor quantidade de açúcar residual.
* Tokaji Szamorodni: Esta palavra de origem polaca significa: "como nasceu" ou "como isso cresce". O Szamorodni é elaborado a partir de uvas parcialmente botritizadas sem selecção dos bagos botritizados (aszú). Usado como aperitivo pode ser seco ou doce dependendo da proporção de uvas botritizadas.
* Tokaji Aszú: São os vinhos mais conhecidos da região. Provêm da adição ao vinho de base de uvas com elevado grau de podridão (também designada por podridão nobre), como resultado da presença do fungo Botrytis cinerea, dando origem à formação de uma massa pastosa. A produção dos diferentes tipos de Tokaji Aszú será determinada pela quantidade de polpa - composta de uvas botritizadas - adicionada a cada barril de 136 litros de vinho base. A polpa inserida é medida em puttonyos - baldes de 20 kg – e o vinho resultante poderá ter de 3 (os menos doces) a 6 puttonyos (os mais doces). Tokaji Aszú deve, por lei, amadurecer pelo menos, dois anos em barris de carvalho e um ano em garrafa antes de ser colocado à venda.
* Tokaji Eszencia: Uma raridade absoluta, o sumo gota-a-gota dos bagos de aszú. A Eszencia é um néctar com uma concentração de açúcar comparável à do mel.
Postar um comentário