"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca" (Mateus 26:41)

Adolfo Lona Brut Rose


Tipo: Rose
Nível: Espumante
Classe: Brut
País: Brasil
Método: Charmat
Graduação alcoólica: 12%
Preço: R$ 32-64 (preço nas importadoras, restaurantes e lojas especializadas de vinhos do Brasil)
Uvas/Corte: Chardonnay (40%) e Pinot Noir (60%).
Produtor: Adolfo Lona
Região: Garibaldi-RS
Site: www.adolfolona.com.br
Score: N/A
Onde comprar:
1. Magazzino, Natal, RN;
2. Vinhos&Vinhos
3. Vinhos Web
Degustado em: 24/10/2009
Sugestão Harmonização: peritivos a base de patês e queijos,, entradas frias e pratos quentes à base de peixes e carnes leves
Comentário Produtor
Os rosés têm grande prestígio na região de Champagne, justamente devido ao desafio que representa para o enólogo combinar harmonicamente a força da uva tinta, que deve predominar, com a leveza da uva branca.
Adolfo Lona, aceitando esse desafio e sempre acreditando nas virtudes gastronômicas deste tipo de espumante elaborou o Brut Rosé pelo método Charmat ou de grandes recipientes, a partir de um assemblage de vinhos provenientes de uvas tintas (blanc de noir) e brancas (blanc de blanc). Foi necessário encontrar a proporção justa que possibilitasse destacar simultaneamente a presença marcante do Pinot e a elegância sutil da Chardonnay. A decisão após exaustivas sessões de degustação foi sobre a predominância do blanc de noir, pois desta forma fica assegurada a característica principal desse espumante: aromas e sabores marcantes e típicos. O vinho branco que forma parte de aproximadamente 40% do total é proveniente exclusivamente da uva Chardonnay, que aporta à mistura sua elegância e frescor. Sem dúvida nenhuma, a presença abundante desta magnífica variedade na Serra Gaúcha é a responsável pela já conhecida qualidade dos espumantes brasileiros.
O Pinot Noir, origem dos excelentes vinhos da Bourgogne francesa e em especial dos espumantes da Champagne, apesar das dificuldades que apresenta na elaboração de vinhos tintos no Brasil se adaptou muito bem ao solo e clima gaúchos e permite produzir vinhos brancos valentes e típicos, que cumprem o fantástico papel de andaime no sabor dos espumantes
Serviço: 6 a 8º C
Sugestão de Guarda: beber
Meus comentários:
Adolfo Lona (Argentino de Mendoza) veio para o Brasil em 1972, contratado para o início de operações da vinícola De Lantier, fundada pelo grupo Bacardi-Martini no Brasil. Em 2004, após 33 anos como enólogo e diretor da Bacardi-Martini no Brasil, Adolfo Lona aposentou-se e decidiu produzir vinhos com seu nome, trazendo ao mercado produtos de grande personalidade, frutos da criatividade e da experiência deste enólogo pioneiro da vinicultura brasileira de qualidade.
Coloração rósea, perlage fina persistente, aromas de pão fresco, boa acidez, frutado (morango e cerejas).
Avaliação: Bom
Postar um comentário