"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca" (Mateus 26:41)

Don Melchor


País: Chile
Região: Valle del Maipo, Puente Alto
Produtor: Concha y Toro
Site: http://www.conchaytoro.com/
Uvas/Corte: 94% Cabernet Sauvignon - 6% Cabernet Franc.
Teor alcoólico: 14,5%
Preço: U$ 40-75; R$ 198-258, dependendo da safra o preço aumenta (preço nas importadoras e lojas especializadas de vinhos EUA)
Score: 96 pontos (2003 e 2005) WS; 94 pontos (2005) WA, 93 pontos Descorchados; 93 pontos WS; 94 pontos WE; 91 pontos ST;
Onde Comprar:
Como a Expand não é mais o representante da Concha y Toro, não sei onde comprar no Brasil.
Degustado: 18/12/2009 (oferecimento do amigo Délio)
Sugestão de Harmonização: cordeiro assado, carnes com molhos encorpados.
Serviço: 18º (decantar)
Comentários
“Doce e maduro, generoso, gostoso, delicado, forte, cheio de profundidade de frutas e também de sedosidade. Este vinho pode ser bebido agora e não vai incomodá-los, na verdade vai lhes fazer carinho. Mas amanhã e depois de amanhã, e em cinco ou dez anos o vinhedo El Toconal e suas velhas parreiras em solos aluviais vão surpreendê-los”, Descorchados 2008
Prêmios:
Sugestão de Guarda: jovem/guarda até ± 2020
Meus comentários:
Don Melchor foi lançado em 1989 pela Concha Y Toro e desde então vem recebendo boas pontuações pelos críticos especializados. Puente Alto, é uma região que congrega solo pedregoso, a brisa dos Andes e as temperaturas amenas sobre o Vale do Maipo, proporcionando um bom terroir para a Cabernet Sauvignon. O terroir do Don Melchor é separado em sete grandes parcelas, que são subdivididas em pequenas áreas, produzindo deste modo 130 diferentes vinhos. Cada pedacinho de chão tem colheita e vinificação separada, para extrair da fruta o seu máximo. Algumas áreas dão álcool, estrutura, cor, corpo. Outras aportam fruta, frescor, aromaticidade.
Assim, a cada ano, uma amostra dos muitos vinhos produzidos vão até a França, onde uma comissão de enólogos se reúne para várias baterias de provas, depois definem que proporção de cada vinho entra na mistura final. Muitos são descartados, só o melhor é aproveitado. Na hora de decidir a mistura final, os enólogos analisam dezenas de vinhos; com o corte definido, eles fazem a mescla e colocam em barrica (longo estágio de maturação antes de ser comercializado: 14 meses em barricas de carvalho francês e mais 12 na garrafa). Enrique Tirado, enólogo chefe, comenta que foram feitos nada menos que 130 vinhos diferentes, para o Don Melchor 2007, cerca de 120 de Cabernet Sauvignon e o restante de Cabernet Franc, que aparece no Don Melchor com módicos percentuais, nunca superiores a 10%. Só então, chega ao mercado.
Este apresentava coloração rubi profunda, aromático (frutas vermelhas, café, madeira, pimenta preta, notas herbáceas), no palato frescor, ameixas e amoras maduras, chocolate, taninos presentes, encorpado, tudo em harmonia, com final persistente, deverá melhorar com a guarda adequada.
Avaliação: muito bom
Postar um comentário